11 setembro 2009

PSIQUIATRIA E ESPIRITISMO

O conflito entre Psiquiatria e Espiritismo tomou vulto entre nós, em virtude do crescimento do movimento espírita. O preconceito religioso influi muito na questão, estimulando o preconceito científico. Mas as últimas conquistas das Ciências abriram uma perspectiva de trégua. Na proporção em que o conceito de matéria se pulverizou nas mãos dos físicos e atingiu o plano da antimatéria, verificou-se uma nova revolução copérnica no tocante à concepção do homem. Coube a um famoso psiquiatra norte americano, Ian Stevenson, dar novo impulso às pesquisas sobre a reencarnação. Na URSS o psiquiatra Wladimir Raikov, da Universidade de Moscou, reconheceu o fenômeno de lembranças de vidas anteriores e iniciou pesquisas a respeito, partindo do pressuposto de sugestões telepáticas. Hoje há grande número de psiquiatras espíritas, o que estabelece o diálogo entre os campos opostos.
As pesquisas parapsicológicas com débeis mentais deram razão à tese espírita da distinção entre cérebro e mente. Os débeis mentais agem no plano de psi (fenômenos paranormais) em igualdade de condições com as pessoas normais. Isso parecia mostrar que a debilidade era apenas cerebral e não mental. Quando Rhine sustentou a natureza extrafísica da mente, que Vassiliev tentou refutar sem consegui-lo, o problema se tornou mais claro. Muitos enigmas da Psiquiatria se tornaram mais facilmente equacionáveis para uma solução. Entre eles, talvez o mais complexo, que é o da Esquizofrenia. Certos casos de amnésia, em que os pacientes substituem a memória atual por outra referente a uma possível vida anterior, lançaram nova luz sobre o intrincado problema.
A divisão da mente, a diluição da memória, o afastamento da realidade parecem denunciar uma espécie de nostalgia psíquica que determina a inadaptação do espírito à realidade atual. Teríamos dessa forma um caso típico de auto-obsessão nas modalidades variáveis da Esquizofrenia. Os casos se agravam com a participação de entidades obsessoras geralmente atraídas pelo estado dos pacientes. Eles se encontravam em estado de ambivalência e são forçados a optar pelo passado ante a pressão obsessiva. Este é mais um fato favorável à prática da desobsessão. Psiquiatria e Espiritismo podem ajudar-se mutuamente, ao que parece em futuro bem próximo. Não há razão para condenações psiquiátricas atuais dos processos espíritas de cura dos casos de obsessão.

José Herculano Pires


4 comentários:

ZildaeAntonio disse...

Gostei muito do Post, muito interessante e acrescenta importantes conhecimentos sobre o assunto.
No domingo passado, no Programa Transição, na Rede TV às 15:00 hs, o tema foi também bem discutido.
Um abraço e tudo de bom!

Maria José disse...

Tem um selo “SOMOS TODOS IRMÃOS” no meu blog para você. Este selo representa o amor universal. Vamos participar desta corrente de amor, levando luz a todos os nossos irmãos.

Laguardia disse...

Mensagem da Thaís

Amigos de fé e luta! Já está na hora de pensar em um meio de darmos continuidade a tudo isso. Estamos inspirando e sendo inspirados por essa bela campanha.

Criei o http://bravagentebrasileira.ning.com/ . Na opinião de vocês isso funcionará para que continuemos unidos? Esse ning é uma espécie de rede, onde é feito cadastro e só participam os cadastrados. Ainda não editei e nem defini o layout, mas já peço a opinião de vocês. O que vocês acham? Conhecem?

Ah...lembram-se da idéia dos adesivos? Ainda está de pé? Vamos adesivar nosso país? Opinem também!

Assistiram o programa partidário do PV com a doce Marina? Babei! Ela vem com tudo...

Agora somos 72 corações brasileiros, acordando mais tantos adormecidos!

Está na hora de começarmos a agir mais concretamente, continuamos a protestar nos nossos blogs, e mails etc., mas vamos partindo para ações mais concretas.

No entanto a participação do maior número de pessoas possíveis é necessária.

Mais uma vez parabéns a Thaís belo brilhante trabalho que vem realizando em prol do Brasil

Envie suas sugestões como comentários para:

http://brasillivreedemocrata.blogspot.com ou para http://omundobythais.blogspot.com/

Luigui disse...

Não há um preconceito científico em relação ao Espiritismo ou em relação a qualquer outra filosofia voltada para o sagrado.
O preconceito é do homem e não do conhecimento sistematizado introduzido pela observação científica. Não é a psiquiatria que se opõe aos ensinamentos ESPIRITISTAS mas o PSIQUIATRA, na condição humana e social.
As doenças mentais não são arquitetadas pelas almas dos desencarnados, mas são essencialmente desordens emocionais que o homem traz ao nascer, e transferir para agentes invisíveis as causas destas desordens parece-nos uma solução muito fácil e simplista. Ocasionalmente pode o agente externo encarnado ou desencarnado acentuar a natureza dos problemas, no entanto não é culpado por todas as coisas doentias que estão na mente humana.
Encarnados e desencarnados, estamos todos nós no mesmo ORGANISMO SOCIAL E ESPIRITUAL e estamos responsáveis por todos.

abraços, luiz otavio vasconcelos