21 dezembro 2009

JESUS, O PAI DA MEDICINA

Entre os gregos, salienta a Dra. Jeanne Pontius Rindge, do "Human Dimension Institute", de Nova Iorque, existia uma divisão crescente entre a mente (nous) e o corpo (physis), notavelmente criticada por Platão, cujas instituições transcendiam os limites sensoriais: Se a cabeça e o corpo devem andar bem, deveis começar por curar a alma; esta é a primeira coisa... O grande erro da nossa época, no tratamento do corpo humano, é que os médicos separam a alma e o corpo. Jesus tratou de desarticular essa dicotomia, emprestando novas e magníficas dimensões ao processo de cura. Sua preocupação pela saúde física e espiritual representou, sem embargo, um ponto de partida revolucionário. Embora tenha sido chamado de xamã, admite a Dra. Rindge, devido a sua função de mediador entre Deus e os homens, isso não foi, em absoluto, para abrandar os ímpetos de uma divindade vingativa e arbitrária (Agora que eu sou, Eu somente, e mais nenhum Deus além de mim; eu mato, e eu faço viver; eu firo e eu saro; e não há quem possa livrar alguém de minha mão. Deuteronômio, 32-39), mas, antes, para canalizar o amor, como uma energia curativa que emana da fonte de todos os seres, descrita por ele como Pai Amoroso. O Mestre pregou a necessidade de se efetivar a harmonia do ser com essa fonte de amor, evidenciando, entretanto, que a energia para curar pode ser ministrada através dele próprio e de outrem: "O que eu faço - disse ele aos homens de sua época e de todas as épocas – podeis fazer e melhor!".
Os Evangelhos registram 26 curas individuais e 27 em grupo, por Jesus, e 9 curas múltiplas por seus apóstolos. Os métodos empregados eram, realmente, notáveis. O toque, as exortações, as preces, a desobsessão, a fé íntima ou da família e dos amigos, o estranhíssimo emprego da saliva misturada à poeira do chão etc.
Em seu livro "Faith Healing and Cristian Faith", o Dr. Wade Boggs afirma que a Medicina negligenciou o extraordinário trabalho de cura levado a efeito por Jesus, em meios, diga-se de passagem, os mais diversos possíveis, e isentos de quaisquer procedimentos antis-sépticos.
"Sem o seu espírito – escreve Dr. Boggs – a Medicina degenera em uma metodologia despersonalizada e o seu código de ética num simples sistema legal. Jesus induz a correção do amor, sem a qual a verdadeira cura raramente é possível na realidade. O pai espiritual da Medicina não foi Hipócrates, da ilha de Cos, porém, Jesus!"
O certo é que, com advento da chamada Idade da Razão e o avanço da ciência, a Medicina ortodoxa, cada vez mais familiarizada com o universo físico, investiu, com ênfase sempre crescente, contra a provável eficácia da magia.
"A medicina empreendeu – esclarece a Dra. Rindge – uma função cuidadosa baseada em fatos científicos adequados ao mecanismo Newtoniano, às observações cada vez mais fisicistas, hipóteses agora reivindicadas pelos pensadores evoluídos, como descrições incompletas da Realidade." Entre esses pensadores evoluídos apontados pela editora da revista "Human Dimensions", permitimo-nos destacar aqueles que, em 1882, iniciaram uma séria e pioneira investigação dos fenômenos paranormais, incluindo a telepatia, a clarividência, o contato com desencarnados, as curas espirituais, fundando-se, então, a célebre "Society for Psychical Research – SPR". O trabalho notável desses pesquisadores teria sua continuação, nas primeiras décadas do século XX, pelo Dr. Joseph Banks Rhine e sua esposa Louise, da Universidade de Duke (USA), e por outros atuais destemidos investigadores da fenomenologia supranormal, que ainda abrem caminho, nas florestas densas dos preconceitos e da ortodoxia, para a consolidação, em futuro ignoto, da Medicina Espiritual de que Jesus, de fato e de direito, é o grande Pai.

(Jornal Mundo Espírita de Dezembro de 1998)

Carlos Bernardo Loureiro

(Jornal Mundo Espírita de Dezembro de 1998)

3 comentários:

stutghost stut disse...

Acompanho sempre seu blog. Gosto muito dos posts. Desejo que Ano Novo que chega, seja o início de novos tempos onde se cultive bons sentimentos e se tenha uma colheita farta de amor, fraternidade, união e muita paz!

Drika disse...

Olá!Realmente Jesus tinha um dom incrível para a cura e deveria mesmo ser mais reconhecido pela medicina. Fico imaginando esse poder que emanava Dele... no toque, tanto do corpo quanto de sua roupa, podia se sentir essa força extraordinária. Gosto de pensar Nele e só de pensar já me sinto curada também... =))

Um grande abraço fraterno a você!
Deus te cuide! Um feliz e abençoado Natal e um 2010 cheio de coisas bonitas!

Kelly disse...

Estou passando para agradecer a você que me acompanhou neste meu percurso.
Não peço nada,nao desejo nada nem coisa parecida. Tantos desejos tantos pedidos que já não vale a pena estar a fazer mais...
Mas...Afinal de contas...Também sou gente e mais um pedido não faz mal a ninguém...
Um simples pedido....
Que as pessoas que eu tanto gosto não me deixem nunca...É tudo...
Feliz Natal para todos os blogueiros...Feliz Natal para todos os Meus Amigos...